)

Mais de 50% dos sites ainda não tem uma URL segura

Levantamento realizado pelo SEMRush mostra que apenas 45% dos domínios pesquisados já migraram os endereços para HTTPS.

Segurança é assunto primordial quando falamos em navegar pela internet. Além de aumentar o SEO e o índice de acessos, ter uma página segura é uma demonstração de seriedade e comprometimento com quem acessa.

Contudo, de acordo com levantamento feito pelo SEMrush, líder mundial em marketing digital e fornecedor de ferramentas de monitoramento online, apenas 45% dos sites verificados já migrou para URL de tráfego encriptado, as famosas HTTPS. A plataforma coletou dados de mais de 100.000 sites.

Segundo a ferramenta, entre os que já adotaram os novos endereços também foram encontrados alguns erros na implantação. Entre os mais frequentes estão desde protocolos de segurança desatualizados até erros de arquitetura dos sites, passando por links que direcionam para páginas não seguras.

Para Maria Chizhikova Marques, Coordenadora de Mercado Brasileiro de SEMrush, não migrar para uma URL segura e fazer isso de forma incorreta, pode ter praticamente o mesmo peso negativo do ponto de vista do marketing digital. “Não importa se um site traz URL com protocolo de segurança HTTPS se as páginas contidas dentro dele ainda estão linkando para sites não seguros. Isso vai prejudicar o SEO e a própria credibilidade do site da mesma forma”, afirma Marques.

A Coordenadora do SEMrush ainda aconselha a todos os proprietários de páginas e domínios na internet a fazerem uma boa auditoria. Especialmente os donos de e-commerce. “Desde o início do ano todas as páginas que solicitam dados confidenciais, como número de cartão de crédito e documento, e tem apenas HTTP na URL estão sendo marcadas como inseguras. Para quem tem uma loja online, isso pode significar o fim do site a curto prazo”, finaliza.

Fonte: SEMRusch

Nota do editor:
ALém dos problemas de segurança citados acima, o site que coleta dados como CPF/CNPJ, entre outros, que não possuem HTPPS, não podem fazer campanhas de mídia no Google.

Comentários